Como avaliar o risco de viés de estudos incluídos na revisão sistemática?

Vieses podem ser definidos como erros sistemáticos em estudos científicos que causam distorções nos resultados, comprometendo a validade interna desses estudos. Não é possível afirmar com certeza se um estudo é enviesado ou não, mas podemos avaliar o risco de viés desse estudo por meio de um julgamento criterioso da sua qualidade metodológica. Em uma revisão sistemática, a avaliação do risco de viés dos estudos incluídos é uma etapa obrigatória, de acordo com orientações do manual da Cochrane. Mas como devemos fazer essa avaliação?

A avaliação do risco de um estudo deve iniciar por uma leitura atenta do seu relato – devemos avaliar criticamente a metodologia utilizada e os resultados obtidos. Essa leitura será guiada e complementada pelo uso de ferramentas de avaliação do risco de viés. Essas ferramentas indicam quais os pontos mais importantes a serem considerados no estudo e estruturam a nossa avaliação. É importante ressaltar que estudos de diferentes delineamentos estão propensos a diferentes vieses. Portanto, existem ferramentas específicas para cada delineamento. Dessa forma, revisões sistemáticas que incluem estudos de diferentes delineamentos, pode ser necessário o uso de mais de um instrumento. Devemos sempre dar preferência a ferramentas validadas, evitando grandes adaptações, e desenvolvidas especificamente para a avaliação do risco de viés. Ferramentas que avaliam a qualidade do relato (como CONSORT, STROBE e PRISMA) não são indicadas para a avaliação do risco de viés.

Na tabela abaixo, são apresentadas as ferramentas mais indicadas para os principais delineamentos incluídos em revisões sistemáticas.

Cursos

Ficou com dúvidas ou quer se aprofundar mais nesses temas? A HTAnalyze oferece cursos introdutórios e avançados em revisão sistemática e metanálise. Em julho de 2021 será realizada a primeira edição do Workshop Avançado de Avaliação do Risco de Viés e Qualidade da Evidência”, em EAD, cujo objetivo é discutir conceitos relacionados a risco de viés e qualidade da evidência e capacitar os alunos no uso das ferramentas RoB 2.0, ROBINS-I e GRADE.

Links para as ferramentas mencionadas

Por Celina Borges Migliavaca, instrutora do curso

Publicado em Artigos Publicados, Conteúdo Teórico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Posts Anteriores